Espaço do Diário do Minho

O desafio dos produtores de espaço

10 Mai 2020
Paulo Sousa

Numa decisão que ganha cada vez mais adeptos, várias cidades, em diferentes pontos do globo, decidiram fazer o que a lógica, nas atuais circunstâncias, não determinaria; fecho de várias artérias essenciais, alargamento de passeios, supressão de estacionamento à superfície. De Paris a Bogotá, de Nova Iorque a Barcelona, de Vilnius a Bruxelas, nada será como dantes quando o confinamento perder a sua força e se assista ao regresso em massa das pessoas às ruas.

Aparentemente, estamos a assistir a um paradoxo entre a necessidade de privilegiar o transporte individual para evitar a aglomeração em transportes públicos, e a redução da poluição nas cidades e por via disso, a concentração excessiva dos automóveis, mas vale a pena refletir sobre esta problemática, olhando de forma indistinta para as necessidades em concreto. Se numa cidade como Paris, a autarca Anne Hidalgo tomou a decisão de devolver 50 quilómetros de vias aos peões e às bicicletas e se em Oakland, nos EUA, 10 por cento das ruas foram fechadas aos carros, é bom de ver que “as dificuldades de prescindir do transporte individual”, enumeradas por Nunes da Silva, professor catedrático, do Instituto Superior Técnico de Lisboa, são uma manifestação mais reativa do que proativa. Arquitetos e académicos como Avelino Oliveira, Luís Pinto de Faria e João Castro Ferreira, conduzem o raciocínio para a dimensão pragmática: “supressão de vias de trânsito e/ou estacionamento à superfície”, desafiando os produtores de espaço a irem mais longe. Os que defendem uma transição acelerada para a mobilidade sustentável estão a ganhar adeptos em detrimento dos que sugerem uma redução na ambição de reduzir a carga. Mas na verdade, a tendência é ainda muito ténue, já que a maioria não está disponível para abandonar automóveis e transportes públicos como autocarros e comboios. Estamos, assim, perante uma equação onde cabem direitos e deveres, excessivos na primeira e desleixados na segunda. A solução é a mudança de mentalidade onde pesa atualmente a cultura lasciva dos cidadãos de uma forma geral, ancorada em diferentes pesos: o sentido de posse do conforto, a ausência de uma cultura de educação física e a ausência de disponibilidade para dizer Sim às políticas que lhe retirem parte da liberdade de circulação. O que fazer? Muitos autarcas estão a preferir intervenções nas zonas de habitação em detrimento das zonas centrais como é o caso de Braga e outros há que preferem harmonizar de uma forma equilibrada as diversas tendências, incentivando, com ajudas, os utilizadores de bicicletas como é o caso das cidades francesas e espanholas. O que fazer? – O primeiro ataque é anular dentro das cidades as redundâncias que ainda existem, suprimindo artérias onde se circula sem necessidade (numa espécie de pescadinha de rabo na boca);  num segundo momento deve-se privilegiar os que habitam nas periferias, oferecendo aos mais novos bicicletas para que se possam deslocar para as escolas e para o lazer, destacando, aqui, os mais necessitados como alvo preferencial. Um desafio que torne vulgar o uso de bicicleta como o fazemos com os computadores ou os smartphones e capaz de contaminar os mais relutantes. Um terceiro vetor deve destacar as ciclovias instantâneas que estão a ocupar os espaços deixados vagos pelos automóveis neste período de confinamento, o que conduziria a uma inversão nas normas de circulação, já dispostas no Código de Estrada, mas ainda insipiente, na sua prática: é o carro que se adapta à presença das bicicletas e não o contrário. Seja qual for a política a adotar, precisamos de viver a cidade, gozar do seu privilégio como espaço de atração humana, invertendo o que Italo Calvino previa em “As cidades Invisíveis” :

A cidade – insistes em perguntar. – Vimos cá trabalhar todos os dias – responder-te-ão uns, e outros: – Voltamos cá para dormir. – Mas a cidade onde se vive? – perguntas. – Deve ser para ali – dizem, e uns erguem o braço obliquamente na direcção de uma incrustação de poliedros opacos, enquanto outros indicam para trás das tuas costas o espectro de outras cúspides”.



Mais de Paulo Sousa

Paulo Sousa - 18 Abr 2021

Pode parecer um lugar comum afirmar que a identidade europeia depende cada vez mais de um poder local esclarecido, autónomo e forte, mas quem acompanha a capacidade de intervenção e de influência dos autarcas, não tem dúvidas em afirmar que a resiliência evidenciada durante a presente Pandemia, veio demonstrar que é localmente que se constrói […]

Paulo Sousa - 11 Abr 2021

Os cidadãos merecem respeito. Mais do que isso: merecem ser bem esclarecidos. Quer os números que caracterizam a pandemia, quer os alegados efeitos negativos das vacinas, são uma tômbola para a perceção pública que afeta o dever e o direito do esclarecimento cabal. O que está em causa não são os números, são as regras […]

Paulo Sousa - 4 Abr 2021

As crises sempre abriram as portas à Oportunidade. Ninguém duvida que assim é e no mundo empresarial, os líderes destacam-se por terem esta visão que faz sobressair o que de melhor há em si: a visão de risco. Há felizmente bons exemplos na nossa sociedade e em particular no Minho que tem contribuído para desmistificar […]


Scroll Up