Espaço do Diário do Minho

Primeiro passo atrás

30 Jun 2020
Luís Martins

Tinha sido anunciado que podia acontecer, mas podia não ter sido usado se tudo corresse bem. Não está a correr. E a culpa não é só dos jovens, embora a irreverência destes esteja a ter consequências. O presidente e o primeiro-ministro têm maior culpa. Mas, não forem eles os que fizeram maior pedagogia? É verdade, mas vulgarizaram a mensagem. Explico-me melhor… A função pedagógica de um e de outro, que teve importância positiva no início, deixou de funcionar a partir de certa altura, seja pela frequência com que acontecia, seja pelo descuido verbal com que o faziam. E quando foi decretado o desconfinamento, ambos foram imprevidentes ao chamarem os jornalistas e as televisões para mostrarem como eles desconfinavam. Escolheram iniciativas inapropriadas e a vulgaridade fez lembrar as presenças dos concorrentes dos bigbrothers televisivos. Saíram furadas as demonstrações e tendo ambos colocado, de um momento para o outro, a tónica na economia, passaram a ser maus exemplos. E o pior é que isso não significou que os exemplos não fossem imitados… Os maus exemplos são sempre imitados, seja por quem não dá conta disso, seja pelos que vêem no exemplo um escape para dar azo às suas necessidades e vontades. Tendo-se apresentado em ajuntamentos – não importa que fossem considerados culturais – ou aparecido em campanhas de consumismo, sempre abundantemente acompanhados, estragaram a bondade e a pedagogia do recato. Comportando-se como desconfinantes a sério abriram uma brecha de difícil conserto na estrutura do barco. Portugal foi considerado um bom exemplo a nível europeu. Já não é. Foi preciso dar um passo atrás na vida das pessoas e na economia de muitas empresas de Lisboa e Vale do Tejo numa resposta pública, ainda para mais, tardia, quando a experiência anterior permitia fazer melhor e mais oportunamente. Portugal arrisca ficar sem muitos turistas estrangeiros depois de ter estado à frente nos destinos de férias mais seguras. O presidente até pode dizer que Portugal não está pior, mas deixou de ser um caso exemplar. E há o risco da situação de complicar se as regras continuarem a não ser acompanhadas de vigilância mais alargada e persistente. A probabilidade de não serem cumpridas aumentará se tudo continuar na mesma. Mas pode ser que o nervosismo detectado em Costa, atenta a falta de paciência que lhe inquieta a etiqueta, queira significar maior atenção ao problema. Mas, há outras vertentes onde é preciso actuar, como é o caso dos transportes. Para se respeitarem os normativos e ser possível às pessoas acederem aos locais de trabalho, os responsáveis têm que prover a melhoria das condições de mobilidade. As pessoas têm que trabalhar e a maioria não se pode dar ao luxo de utilizar viatura pessoal. Algumas nem sequer a têm. Nota-se isso, particularmente, em Lisboa, mas haverá certamente outras localidades em que o transporte é um problema. Quando os autocarros circulam cheios não se contribui para a segurança das pessoas!

Manifestações, sim, ajuntamentos, não! Não se compreende a dualidade. A política não devia dar o exemplo? Infelizmente há quem insista em gozar com os portugueses, caso de Jerónimo de Sousa, ao insistir com uma festa que vai juntar mais pessoas do que as vinte permitidas e que a reboque da liberdade de expressão foge aos limites que a lei define. Pena que nem Marcelo nem Costa se pronunciem sobre o assunto, se bem que o último já se lhe referiu veladamente, mas para lhe dar calor. Não é de admirar, embora se possa criticar o gesto, tendo em conta que Jerónimo vai continuar a ser preciso para viabilizar os próximos Orçamentos de Estado e como este sabe isso dá-se ao desplante da irresponsabilidade que é prosseguir com a realização do evento. E há quem ache que os partidos de esquerda não têm tiques capitalistas! Mas, pode ser que a procura desenfreada do lucro seja mal vista pelos eleitores e façam um manguito quando Jerónimo lhes voltar a pedir o voto. Tenho para mim que ainda vai acusar a pandemia do insucesso eleitoral do seu partido!



Mais de Luís Martins

Luís Martins - 27 Jul 2021

Um lugar alto é sempre bom para reflectir e para observar. Também é um incentivo ou uma tentação para quem é motivado a ter melhores condições de vida ou anseia poder. Nas circunstâncias que experimentamos desde o início do ano de 2020, subir alto significa percorrer um nível crescente de infecções que levam a curva […]

Luís Martins - 20 Jul 2021

Vivemos em sociedade alinhados pelos exemplos dos que nos acompanham. É assim em toda a nossa vida, desde a mais tenra idade até termos cabelos brancos. Em casa recebemos o exemplo dos progenitores e dos demais entes familiares e na vida social incorporamos o exemplo dos nossos pares, de amigos, dos que nos dão emprego […]

Luís Martins - 13 Jul 2021

Daqui a nada, haverá mais uma vez uma campanha eleitoral seguida da nomeação de novos representantes do povo para juntas de freguesia e câmaras municipais. Uns terão verdadeira vocação, outros não. Uns quererão resolver problemas dos eleitores, outros estarão mais preocupados com o que ganharão pessoalmente, remetendo para segundo plano as preocupações dos cidadãos. Tais […]


Scroll Up