Espaço do Diário do Minho

A pentaortografia

5 Dez 2020
M. Moura Pacheco

Quando eu aprendi a escrever, havia duas ortografias: a certa e a errada. Agora há, pelo menos cinco. E todas auto-consideradas certas – é a pentaortografia.

1 – Primeiro a ortografia clássica ou ortografia antiga, como alguns lhe chamam (e muito bem). Foi com essa que aprendi a escrever e é com essa que escrevo este e outros textos, sempre da forma o mais ortodoxa possível, isto é, fiel à norma e evitando os erros. Estes, se acontecerem, são involuntários.

2 – Depois há a ortografia do chamado «acordo ortográfico» que, por sinal, nunca foi acordado.

Esta, por sua vez, comporta algumas variantes consoante os vários pais do «acordo». Porque esta ortografia é filha de muitos pais, desde filólogos que se sentem pais e donos da língua, até políticos que julgam que a língua evolui por decreto. Por sua vez, estes pais são quase todos bígamos, cada qual casado com a sua opinião e com a sua presunção.

Esta é a ortografia dos devotos do «acordo».

(Não há aqui espaço nem tempo – nem esse é hoje o meu intuito – de tratar do acerto ou desacerto do «acordo» que nunca foi acordado).

3 – Há ainda a ortografia do «super-acordo» ou dos fanáticos do «acordo». São aqueles que não podem ver uma consoante antes de outra sem que, zelosamente, a façam cair.

O «acordo» estabeleceu que as consoantes mudas devem cair, como, por exemplo, é o «p» de «baptismo» ou o «c» de «actual». Mas os fanáticos super-acordistas vão mais longe e entendem que não só as consoantes mudas devem cair, mas também as falantes. Fazem cair o «c» de «contacto» ou de «facto» e escrevem «contato» e «fato». Como cair fazem o «p» de «criptogâmica» ou de «abrupto»» e escrevem «critogâmica» e «abruto». Ao fazer cair aquele «c» e aquele «p», esta ortografia permite-se o desplante de também querer «acordar» a pronúncia!!!

4 – A quarta ortografia (possivelmente a mais corrente) é uma mistura das três anteriores, em doses e proporções ao gosto de cada um, em «cocktails» sortidos de um extenso cardápio.

Basta ler qualquer revista ou jornal, ou, de preferência, aquelas notas de rodapé que as televisões passam todos os dias, para nos apercebermos da imaginação criadora destes novos «barmen».

5 – A quinta ortografia é a que não se integra em nenhuma das anteriores, que está errada à luz de qualquer delas, que desvirtua a fonética, atraiçoa a etimologia, ofende a morfologia e atropela a sintaxe. Uma espécie de sublimação da anterior. Mas é, talvez, a mais popular de todas.

Das duas velhas ortografias, o «acordo» que ninguém acordou conseguiu fazer cinco – a pentaortografia. É o que se chama produtividade cultural!!!

*Professor universitário aposentado.

Nota: por decisão do autor, este texto não obedece ao impropriamente chamado acordo ortográfico.



Mais de M. Moura Pacheco

M. Moura Pacheco - 8 Abr 2021

Parece que há para aí quem muito se admire por ver o vice-almirante Gouveia e Melo sempre fardado (com farda de trabalho) quando aparece a dar-nos conta da marcha da vacinação. Este espanto tem que ver com modas. Sim, com modas. Por estranho que pareça, com as mesmas modas que mandam subir ou descer as […]

M. Moura Pacheco - 1 Abr 2021

Já mais do que uma vez aqui verberei o mau, o péssimo português que se escreve e se fala na comunicação social indígena – escrita, radiofónica ou televisiva. Já aqui publiquei mesmo uma extensa lista dos erros mais clamorosos e frequentes. Não vou repeti-la agora. Mas vou repetir o tema – muito embora correndo o […]

M. Moura Pacheco - 25 Mar 2021

O Tribunal do Santo Ofício foi criado em 1231 pelo Papa Gregório IX com o fim de julgar os desvios à «pureza da Fé», ou seja, as «heresias». E heresia era tudo o que não coincidisse com a doutrina oficial da Igreja ou com os usos e costumes da sociedade de então, intensamente moldada por […]


Scroll Up