Fotografia: DR

Papa pede atenção particular para quem sofre com a pandemia

Francisco destaca, na mensagem para a Quaresma, contexto de «grande incerteza» que marca preparação para a Páscoa.

Redação/Lusa/Ecclesia
12 Fev 2021

O Papa, na sua mensagem para a Quaresma deste ano, divulgada hoje, apela a uma atenção particular para o cuidado de quem sofre por causa da pandemia, destacando o contexto de «grande incerteza»  que marca preparação da próxima Páscoa.

«Num contexto tão incerto sobre o futuro (…), ofereçamos com a nossa caridade uma palavra de confiança, para que o outro sinta que Deus o ama como filho», diz Francisco

O Papa lembra que a caridade, «mostrando cuidado e compaixão por cada pessoa, é a expressão máxima» da fé e da esperança.

Francisco também exorta os fiéis a serem «mais atentos durante esta Quaresma para usarem palavras de encorajamento, que confortem, fortaleçam, consolem, estimulem, em vez de palavras que humilham, entristecem, irritam, desprezam».

«Para dar esperança, basta ser uma pessoa amável, que deixa de lado as suas angústias e urgências para prestar atenção, para dar um sorriso, para dizer uma palavra que estimule, para possibilitar um espaço de escuta no meio de tanta indiferença», frisa na mensagem intitulada “Vamos subir a Jerusalém…» (Mt 20, 18). Quaresma: tempo para renovar a fé, a esperança e a caridade”.

O Papa refere-se ainda ao jejum durante a Quaresma e explica que jejuar significa libertar a existência de tudo que está no caminho, até mesmo da saturação de informações – verdadeiras ou falsas – e de produtos de consumo.

Devido à pandemia, o Papa não presidirá à tradicional procissão da Quarta-feira de Cinzas e celebrará o rito na Basílica de São Pedro, com uma participação limitada dos fiéis.

Também não lhe será possível realizar os Exercícios espirituais juntamente com a Cúria Romana na Casa Divino Maestro de Ariccia, nos arredores de Roma.

Por isso, o Papa Francisco convidou os cardeais residentes em Roma, os chefes dos dicastérios e os superiores da Cúria Romana a se retirarem em oração na tarde do dia 21 até sexta-feira, dia 26 de fevereiro.

A Quaresma é um tempo de 40 dias que se inicia com a celebração das Cinzas (17 de fevereiro, em 2021), marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, que serve de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário cristão, este ano a 4 de abril.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up