Fotografia: Vatican News

Papa diz que «é tempo de regressar a Deus»

Francisco propõe caminho de humildade e serviço ao próximo para esta Quaresma

Redação/Ecclesia
17 Fev 2021

O Papa afirmou hoje, na Missa da Quarta-feira de Cinzas, no Vaticano, que este tempo da Quaresma deve ser de «regresso a Deus», através da oração e do serviço ao próximo.

«Deus lança um apelo ao nosso coração. Na vida, teremos sempre coisas a fazer e desculpas a apresentar, mas, irmãos e irmãs, hoje é tempo de regressar a Deus», referiu Francisco, na homilia da celebração a que presidiu.

A Eucaristia foi celebrada na Basílica de São Pedro, com participação limitada por causa da pandemia, que impediu ainda a tradicional deslocação à Basílica de Santa Sabina e a procissão penitencial pelas ruas de Roma.

Francisco propôs um «caminho de humildade» para todos os católicos, que iniciam o tempo de preparação rumo à Páscoa.

«Hoje inclinamos a cabeça para receber as cinzas. No fim da Quaresma, abaixar-nos-emos ainda mais para lavar os pés dos irmãos. A Quaresma é uma descida humilde dentro de nós e rumo aos outros. É compreender que a salvação não é uma escalada para a glória, mas um abaixamento por amor. É fazer-se pequeno», indicou.

O Papa pediu que todos se questionem sobre as suas opções de vida e a relação com Deus, evitando a vaidade e a falsidade, os «laços sedutores dos vícios, as falsas seguranças do dinheiro e da ostentação».

«Todos temos doenças espirituais: sozinhos, não podemos curá-las; todos temos vícios arraigados: sozinhos, não podemos extirpá-los; todos temos medos que nos paralisam: sozinhos, não podemos vencê-los. Precisamos de imitar aquele leproso, que voltou para Jesus e se prostrou aos seus pés», apontou.

A intervenção sublinhou ainda a importância de rezar ao Espírito Santo, «que dá vida».

Francisco destacou o «primado da ação de Deus»  na vida dos crentes, apelando à oração diante do crucifixo, para contemplar as «chagas» de Jesus.

«Deus espera-nos com a sua misericórdia infinita. Porque ali, onde somos mais vulneráveis, onde mais nos envergonhamos, Ele veio ao nosso encontro. E agora que veio ao nosso encontro, convida-nos a regressar a Ele, para voltarmos a encontrar a alegria de ser amados», concluiu.

Após a homilia, decorreu a imposição das Cinzas, que o Papa recebeu do cardeal Angelo Comastri, arcipreste da Basílica de São Pedro.

Os católicos de todo o mundo começam hoje a viver o tempo da Quaresma. A Quarta-feira de Cinzas é, juntamente com a Sexta-feira Santa, um dos únicos dias de jejum e abstinência obrigatórios.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up