Espaço do Diário do Minho

Tempo dos «andarilhos»?

4 Mai 2021
João António Pinheiro Teixeira

Continuamos a sentir-nos incomodados por (ainda) não podermos voltar aos nossos passos apressados.

Se alguma coisa a pandemia nos ajuda a perceber é que não é com pressas que conseguimos ver o que está a acontecer.

O «relógio» do mundo como que parou. E tanta coisa em nós jorrou. Será curial desperdiçar o que – uma vez mais – a vida nos quis ensinar?

Parece que em todos os lábios há soluções. Não parece, porém, haver predisposição para a escuta em muitos corações.

Será que estamos a apreender devidamente esta monumental demonstração da nossa fragilidade e incompletude?

Não será este o tempo de recorrer ao «andarilho», o arrimo a que deitamos mão quando sobrevêm dificuldades de locomoção?

Com o andarilho, a cadência é pausada e o ritmo é lento. Mas não é disso que precisamos neste momento?

Precisamos de dar atenção a cada passo que damos neste chão. A vida que levávamos – sempre a correr – nem nos deixava olhar para quem, nas margens, não encontrava um sorriso para acolher.

As pressas costumam derrapar em desastres.

Redobrar as pressas – a pretexto de recuperar o tempo perdido – levar-nos-á, talvez sem que em tal reparemos, a perdermo-nos irreparavelmente no tempo.

É hora de reconhecer que cada segundo conta e que cada pessoa vale.

Não podemos delapidar nenhum instante nem deixar para trás uma única pessoa.

Não é altura de acelerar, quais recriações de Pangloss, todos os vendavais de optimismo com que, infundadamente, nos acenam.

Mas também não é solução – como se regressássemos a Cassandra, Malagrida ou Calimero – irromper em lamentos e em vaticínios de derrocada irreversível.

Nem tudo ficará bem. Não deixemos, contudo, de «cuidar deste nosso jardim».

Mobilizemos os nossos ouvidos e «desconfinemos» – de vez – o nosso coração.

Os supersónicos chegam longe em pouco tempo. Só que agora, necessitamos de muito tempo para ver – e chegar – longe.

De andarilho também se anda. De andarilho também se reaprende a andar.

Eis, pois, uma metáfora para estes tempos de recomeço. O «andarilho» não satisfaz os nossos ímpetos velozes. Mas pode ajudar-nos a olhar para lá de nós.

E os passos que se movem mais lentamente podem transportar um saber decisivo para a génese de um mundo diferente: um mundo de irmãos. Não é este o (primordial) «sonho» de Deus?



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 18 Mai 2021

Nesta altura, sentimo-nos todos náufragos de uma interminável «tempestade» de aflições e, ao mesmo tempo, mendigos de um vislumbre – estreito que seja – de felicidade. As dores teimam em não cicatrizar. E a felicidade, essa, parece extraviar-se no fugidio estendal das recordações longínquas. Ainda não cessaram os (devastadores) efeitos da pandemia. Mas temos de […]

João António Pinheiro Teixeira - 11 Mai 2021

Fátima não acontece apenas em Fátima. Fátima vai muito para lá de Fátima. Fátima irrompe em múltiplos lugares e floresce em praticamente todas as vidas. 2. Fátima é local e global. É lugar e presença. É apelo e vivência. Fátima é terra com sabor a Céu. Fátima é Céu na terra. É um enclave da […]

João António Pinheiro Teixeira - 27 Abr 2021

De repente, tudo pode mudar. E chegar a hora de cuidar daquela que sempre cuidou de nós. Mas a primeira – e a principal cuidadora – continua a ser ela. Basta que permaneça ao nosso lado para que o nosso coração se mantenha reconfortado. Pode andar com dificuldade. Mas, mesmo assim, acompanha-nos sempre com insuperável […]


Scroll Up