Espaço do Diário do Minho

‘So too’ (assim também) – em jeito de denúncia

17 Mai 2021
António Sílvio Couto

Tem proliferado no meio artístico uma corrente de denúncia sobre pessoas – normalmente de estatuto dito superior – que não terão respeitado outras, isto é, exercendo assédio… umas vezes referido como sexual, outras sob o âmbito profissional ou mesmo social.

Foi este movimento apelidado de ‘me too’ (eu também), desde finais de 2017, onde várias pessoas – em especial do mundo do cinema, do teatro, da música, etc. – fizeram emergir casos de assédio sexual e, nalguns casos, mesmo de abusos.

1. Sobretudo áreas que lidam com o sigilo profissional podem – e em muitos casos vivem – ser confrontadas com assédios de vária ordem. Refiro-me aos padres, médicos/enfermeiros, jornalistas, advogados… Poderia ter escolhido enumerar campos de atividade, mas preferi salientar os que exercem essas atividades, pois é sobre eles, como pessoas concretas, que tal acontece, tomando os mais díspares contornos, situações ou quase disfarces. A isto designaria uma espécie de movimentação ‘so too’ (assim também)… para denunciar, esclarecer ou combater quem, mais vezes do que seria desejável, não respeita quem escuta e/ou engole, gratuitamente, desabafos alheios…

2. Nalgumas circunstâncias o alcance do sigilo profissional como que faz calar algo que condiciona o trato com as pessoas. Tenho por adquirido – a partir da minha experiência ‘profissional’ – que se nós respeitamos escrupulosamente o segredo, nem sempre se poderá dizer o mesmo de quem nos contata. Com efeito, como se sabe algo que nos foi dito, senão fomos nós a divulgá-lo? Ou como se poderá saber o que dissemos, em consciência, como conselho e que outros o saibam de forma tácita ou mais ou menos explícita? Como atender e entender quem nos procura e não respeita a equidistância entre quem fala e quem escuta?

3. Muito mal iria o nosso relacionamento como pessoas, se alguém ousasse chantagear outrem, pela simples razão de lhe ter confiado particularidades da sua vida. Há, no entanto, indícios de que algo começa a desviar-se dessa confiança mútua. Nesta época propensa a falar de tudo e do resto sem o mínimo da respeitabilidade – dos assuntos, das pessoas com quem se fala ou mesmo do modo como as questões são tratadas – haverá, de verdade, confidencialidade entre as pessoas? Não ocorrerá algum modo de divulgação (gravado, filmado ou até transmitido) sem autorização? Não ocorrerá a tentação de entalar o interlocutor, expondo o que é dito?

4. A título de exemplo deixo uma anotação da minha área de intervenção. Dizia alguém com sabedoria e prudência que os padres não são assediados (procurados, tentados ou adulados) por serem meramente homens mais ou menos bonitos (segundo certos conceitos – ‘bonito’ nalgumas terras chama-se ao boi a lidar), mas por serem padres, isto é, são matéria que o mal procura para fazer cair e com isso causar mais escândalo e, porque não, mal à Igreja. Repare-se nos encómios tecidos para com um padre – tenha ou não as qualidades para quem tal enfatiza – e com que velocidade é esquecido, quando se estatela e deixa o ministério! Não será isto, artimanhas do mal?

5. ‘So too’ (assim também) quero denunciar com toda a veemência os ardis que são lançados em situações de conflitualidade nos meios paroquiais. Com que habilidade se espoleta um problema e com que lentidão se tenta resolver. Com que sagacidade se extremam posições e com que morosidade se concertam as opiniões. Com que propaganda se divulga algo de mal e com que estranheza não se veem os desmentidos.

6. Recordo com boa memória aquilo que, um dia, me foi advertido, lendo-o no evangelho: ‘sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas’… não ao contrário ou as simples pombas entrariam pela boca da sagaz e subtil serpente!

Destaque

So too’ (assim também) quero denunciar com toda a veemência os ardis que são lançados em situações de conflitualidade nos meios paroquiais. Com que habilidade se espoleta um problema e com que lentidão se tenta resolver



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 14 Jun 2021

Os factos: no decorrer de um jogo de futebol numa divisão do distrital, no interior do país, o guarda-redes da equipa visitada – bombeiro do corpo de socorro de emergência – saiu do seu posto, quase a terminar o jogo, para ir assistir, num ataque de epilepsia, um espetador (de trinta e dois anos) da […]

António Sílvio Couto - 7 Jun 2021

Pelos mais recentes exemplos – jogos e comemorações do futebol, de âmbito nacional ou com trejeitos mais internacionais – teremos de reconsiderar se já estaremos capacitados para aliviar as medidas de contenção neste tempo de pandemia. Desde fevereiro do ano passado que muito do convívio social foi posto em suspenso: da recusa do mínimo contato […]

António Sílvio Couto - 31 Mai 2021

Não basta saber o que foi dito, é preciso conhecer quem o disse. Não basta chamar ‘bandido’ (ou outro termo), é preciso reconhecer o sujeito e mesmo o predicado, dado que o complemento tanto pode ser direto como indireto… isto nas designações sintáticas de antanho… Nota-se que certas forças têm um tratamento algo discricionário, ao […]


Scroll Up