Espaço do Diário do Minho

Um livro para reconstruir a «cidade feliz»

18 Mai 2021
João António Pinheiro Teixeira

Nesta altura, sentimo-nos todos náufragos de uma interminável «tempestade» de aflições e, ao mesmo tempo, mendigos de um vislumbre – estreito que seja – de felicidade.

As dores teimam em não cicatrizar. E a felicidade, essa, parece extraviar-se no fugidio estendal das recordações longínquas.

Ainda não cessaram os (devastadores) efeitos da pandemia. Mas temos de nos mobilizar para a ingente tarefa de reconstrução da humanidade.

Depois de tantas «bátegas» de dor e de tão tormentosos «vendavais» de infelicidade, é imperioso que nos centremos no essencial.

E o essencial passa por nos recompormos das dores e por não vacilarmos na procura da felicidade. É impossível uma vida sem dor. Mas, mesmo na convivência com a dor, é sempre possível deixarmo-nos afagar pela felicidade.

Incumbe-nos, por conseguinte, reconstruir a cidade, combalida após tantos – e tremendos – sobressaltos. A ninguém é lícito eximir-se à missão de se tornar reconstrutor de uma «feliz… cidade».

É por este meridiano que transitam as páginas da magnífica obra de D. Manuel Linda: «Construtores da cidade feliz».

Editada em plena «explosão» da pandemia, a presente colectânea de ensaios assinala a direcção certa e aponta o rumo que urge tomar.

O Autor remete para a – por vezes, tão negligenciada – «Doutrina Social da Igreja», nas suas «propostas racionais e sensatas» bem como nas suas «orientações seguras e necessárias».

O «elemento central e permanente é o anúncio da mensagem evangélica». E, como sabemos, o Evangelho transporta o paradoxo insuplantável da vida na própria morte. Pelo que a felicidade não está excluída das situações mais críticas e padecentes.

Temos de contar com as adversidades que se intensificam, mas não podemos subtrair-nos às possibilidades que se erguem.

Todos nós, crentes ou não, reconhecemos o «valor absoluto da pessoa». Deste modo, ninguém há-de ser esquecido ou descartado.

A «ética do dom» vai ser cada vez mais decisiva. O «grande contributo da fé cristã passa pela abertura para a relação».

Assim sendo, cada «pessoa é chamada a conviver com os outros e a ser irmã». Não é legítimo qualquer «direito à indiferença».

A «abertura do amor é universal: atinge a todos», com «uma especial sensibilidade para com aqueles que […] não se podem inserir naturalmente na sociedade».

De facto, os preteridos do mundo têm de ser sempre prioritários para os seguidores de Cristo na terra.

O radicalismo é perigoso, mas uma certa radicalidade avulta como imprescindível. Trata-se da «radicalidade evangélica» no «amor que se entrega sem reservas».

A educação enquanto «via da felicidade» desponta – aqui – como eixo determinante. Ela incluirá até a santidade como «pressuposto» e como «meta ética da democracia».

É que – já notara o sábio de Hipona – verdadeiramente feliz é «quem encontra Deus».

E nem os infortúnios são capazes de obstar a esse impreterível – e felicitante – encontro!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 15 Jun 2021

É notório que, no decurso da pandemia, cresceu em muitos a sede de Deus. Mas tal crescimento coexiste com o atávico – e aferrado – apego de outros a um Cristianismo feito (apenas) de hábitos. Com efeito, nem todos «coaram» os seus procedimentos pelo inultrapassável filtro do Evangelho e da experiência de Deus. O primeiro […]

João António Pinheiro Teixeira - 8 Jun 2021

As adversidades – incluindo as maiores catástrofes – costumam desencadear prolongados processos de transformação nas sociedades e nas pessoas. Basta olhar para a conversão dos habitantes de Nínive, após o anúncio da destruição iminente (cf. Jn 3, 4). Ou para a transfiguração do (chamado) «filho pródigo» depois das provações que suportou (cf. Lc 15, 14). […]

João António Pinheiro Teixeira - 1 Jun 2021

É o cansaço um dos sintomas mais acoplados à COVID-19. Sucede que tal cansaço – ao alvejar o organismo – parece não preservar o espírito, a mente, o ambiente, a vida. Cansados, porque feridos e duradouramente enlutados, como recobrar o ânimo, recuperar a alegria e reacender a esperança? Não falta, aliás, quem expenda a sua […]


Scroll Up