Fotografia: DR

Vieira do Minho: Filipe de Oliveira denuncia atrasos nas obras escolares e menos alunos no concelho

«As obras da Escola Básica e Secundária Vieira de Araújo são o espelho da incapacidade da Câmara para fazer obras estruturantes e desmentem a tão propalada boa gestão dos recursos do município”, afirma Filipe de Oliveira.

Redação / NC
17 Jun 2021

O candidato do PS à Câmara de Vieira do Minho, Filipe de Oliveira, denunciou hoje atraso de um ano nas obras da Escola Básica e Secundária Vieira de Araújo, assim como dados que apontam para o decréscimo da população escolar nas ordem dos 14,5% em quatro anos.

Em nota enviada a esta redação, Filipe de Oliveira refere que desde o ano letivo de 2017-2018, a população escolar do concelho desceu de 1389 alunos para um mínimo histórico de 1187 alunos, no ano letivo que agora finda.

«Nos últimos quatro anos, o concelho vieirense perdeu 202 alunos, do ensino pré-escolar ao secundário, e a descida que tem sido constante», frisa Filipe de Oliveira após ter realizado um e roteiro sobre a educação, afirmando que «estes dados dizem respeito ao Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo, o único do concelho, que integra todas as escolas e níveis de ensino: pré-escolar, básico, secundário e profissional».

«Temos hoje menos alunos do que há 100 anos, quando a educação nem sequer era obrigatória», afirma ainda Filipe de Oliveira, acrescentando que este é «o resultado de oito anos de políticas municipais erráticas, que, em vez de atraírem pessoas e de fixarem a população em Vieira do Minho estão a afastar as pessoas para vilas e cidades vizinhas».

Na opinião de Filipe de Oliveira, «o enorme atraso na realização das obras de reabilitação da Escola Básica e Secundária Vieira de Araújo simboliza o desleixo com que a velha maioria municipal trata a educação».

As obras, segundo o candidato, implicam um investimento de 2,6 milhões de euros, verba suportada em 92,5% por fundos comunitários e pelo Ministério da Educação, cabendo à Câmara de Vieira do Minho apenas 7,5% do investimento.

As obras foram lançadas em junho de 2019 com um prazo de execução de 540 dias. Deveriam estar prontas em janeiro de 2021, mas só deverão estar concluídas no início de 2022, ou seja, com um ano de atraso. Além disso, o valor da empreitada já derrapou em vários milhares de euros.

«As obras da Escola Básica e Secundária Vieira de Araújo são o espelho da incapacidade da Câmara para fazer obras estruturantes e desmentem a tão propalada boa gestão dos recursos do município”, afirma Filipe de Oliveira.

Além das infraestruturas físicas, Filipe de Oliveira defende melhorias no ensino profissional, dado considerar que existem “dificuldades e disfunções várias relacionadas com a criação e funcionamento dos cursos profissionais”.

 





Notícias relacionadas


Scroll Up