Fotografia: Avelino LIma

Retoma do turismo em Braga leva dormidas a crescerem 457 por cento

Crescimento médio na região do Minho ronda os 600 por cento.

Joaquim Martins Fernandes
23 Jul 2021

Depois de ter registado 5962 dormidas nas diferentes unidades de alojamento turístico, em maio de 2020, o concelho de Braga fechou maio de 2021 com um aumento de 457 por cento, que atirou o número de dormidas em hotéis, alojamento local e em casas de turismo no espaço rural e de habitação para as 22 mil 264 dormidas.

A forte subida no número de dormidas é revelada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), num relatório que dá conta que a capital minhota continua longe dos números pré-pandemia, mas que os valores de maio de 2021 são os mais altos dos últimos nove meses.

Desde que foi declarada a pandemia causada pelo SARS-CoV-2, apenas nos meses de agosto e setembro de 2020 é que a “cidade dos arcebispos” teve maior dinâmica turística. Mas esse foi um tempo em que Portugal e os restantes países europeus levantaram praticamente todas as medidas de restrição que tinham sido impostas pelo combate à Covid-19.

Após o pico da retoma atingido em agosto de 2020, com 48 mil 889 dormidas,o turismo bracarense teve em setembro 30 mil 296 dormidas. O mês de outubro de 2020 ficou marcado por 25 mil 174 dormidas, valor que já ficou abaixo do valor registado em maio de 2021.

Os dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística fazem também saber que a grande parte das 27 mil 264 ocorreu nas unidades hoteleiras convencionais, que concentraram 22 mil 956 dormidas, o equivalente a 84 por cento do total.

À escala da região do Minho, o mês de maio de 2021 ficou marcado pela ultrapassagem da barreira das 100 mil dormidas. Os números avançados pelo INE precisam que os 24 concelhos dos distritos de Braga e de Viana do Castelo acumularam, em maio deste ano, 112 mil 697 dormidas, valor que evidencia um aumento de 580 por cento face às 19 mil 426 dormidas confirmadas pelo INE para maio de 2019.

A sub-região do Cávado foi a que registou o maior número de dormidas em alojamentos turísticos (43 mil 762), seguindo-se a sub-região do Alto Minho com 41 mil 842 dormidas, o que representa uma subida de 615 por cento face ao mês homólogo de 2020, que ficou marcado por 6804 dormidas.

Na sub-região do Ave, as dormidas em alojamentos turísticos tiveram uma subida de 537 por cento em maio de 2021 face ao mês de maio de 2020. O território acumulou 27 mil e 93 dormidas, no quinto mês deste ano, valor que compara com as 5043 dormidas que teve em maio do ano passado.

O crescimento mais expressivo ocorreu entre as unidades de alojamento convencionais, com a hotelaria a assegurar 20 mil 802 dormidas, mais 744 por cento do que as 2795 que teve em maio de 2020.

Ao nível de concelhos, Braga é o que mais atrai turistas entre os 24 do Minho. Regista mais dormidas do que os oito concelhos do Ave e fica muito acima do segundo concelho minhoto: Viana do Castelo, que teve 14 mil 511 dormidas em maio deste, um pouco mais que as 13 mil 928 registadas em Guimarães.





Notícias relacionadas


Scroll Up