Fotografia: DM

Movimento Contra a Indiferença e associações unidos em defesa da democracia e contra a abstenção

A Semana da Democracia é uma das ações agendada tendo em vista o apelo ao voto já nas próximas eleições autárquicas.

Rita Cunha
3 Ago 2021

Asegunda semana de setembro será dedicada à democracia, contemplando uma série de iniciativas que visam esclarecer relativamente ao ato eleitoral e propostas dos partidos, apelando desta forma ao voto. A decorrer entre os dias 6 e 12, a Semana da Democracia dirige-se a toda a comunidade, mas tem como especial enfoque os jovens. Um dos pontos altos é um ‘open day’ que acontece no dia 11, durante o qual os partidos irão ter a oportunidade de contactar com os eleitores, nas suas sedes (caso as tenham) ou na Praça da República, em pleno centro da cidade de Braga. Segundo a organização, o convite foi lançado a todos os partidos, tendo até ao momento demonstrado interesse o PS, PSD e CDS.

A ideia partiu do Movimento de Cidadania Contra a Indiferença – que conta com um manifesto cujo nome de subscritores de todo o país não para de aumentar – e ao qual se associaram a Federação das Associações Juvenis do Distrito de Braga (FAJUB) – que representa mais de 150 associações juvenis -, a Synergia, a JovemCoop – Jovem Cooperante Natureza/Cultura, a Braga+ – Cultura, Património – Cidadania, a Associação Encontros de Imagem e a ASPA – Associação para a Defesa, Estudo e Divulgação do Património Cultural e Natural.

O objetivo é que cada uma das associações envolvidas desenvolva um conjunto de atividades tendo em vista o apelo ao voto e, por ‘arrasto’, o combate à abstenção que, nas últimas eleições presidenciais, foi de 45 por cento. Um número que deixa Paulo Sousa bastante apreensivo. «Temos dois meses de muito trabalho pela frente», começou por vincar ontem, na apresentação das linhas gerais de intervenção das associações juvenis, culturais e recreativas na mobilização dos cidadãos e cidadãs para o reforço de uma cidadania ativa e o combate à abstenção.

Da parte da FAJUB, o vice-presidente explicou a adesão a este manifesto com a vontade de «apelar ao voto jovem». «Este é um manifesto de apelo à população em geral, mas a nossa prioridade é a de apelo aos jovens. Queremos que estes tenham um papel cada vez mais ativo e que possam ter um papel representativo, neste caso nas eleições autárquicas. Queremos que comecem a ter uma voz ativa e comecem a contestar algumas políticas de juventude que estão a ser decididas agora a nível local e nacional», esclareceu Fernando Vieira.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up