Vídeo:

Braga volta a receber amanhã a iniciativa.

13 Ago 2021

O Edifício do Castelo, em Braga, volta a receber amanhã, a partir das 10h00, uma oficina de escrita de poesia para Fado Tradicional, no âmbito do Encontro Luso-Galaico. O resultado desta iniciativa vai ser apresentado no dia 29 de agosto, no Altice Forum Braga.

Estão a decorrer as inscrições para a oficina de escrita de poesia para Fado Tradicional, que decorre amanhã, 14 de agosto, a partir das 10h00, no Edifício do Castelo, em Braga, dinamizada pelo Ideal Clube de Fado, no âmbito do Encontro Luso-Galaico.

Esta será a 12.ª sessão da iniciativa integrada no projeto “Trobadores & Soldadeiras”, sendo que já houve uma oficina em Braga no passado sábado, depois do percurso pelos concelhos do Alto Minho.

Os participantes destas oficinas gratuitas são convidados a compor letras com as quais se possa cantar o fado. A poesia é trabalhada ao longo das sessões, que são orientadas por escritores e letristas e animadas por músicos e intérpretes de fado. O resultado final será apresentado no Festival Sons do Noroeste, que decorre no dia 29 de agosto, no Altice Forum Braga, a partir das 18h00. Antes, no dia 26, é possível ouvir este projeto, a partir das 19h00, no Parque de S. João da Ponte.

O programador do Ideal Clube de Fado, Ricardo Pons, refere que, tanto do ponto de vista dos profissionais do fado como dos participantes, esta tem sido uma «experiência gratificante e interessante».

«Percebemos que há interesse no Fado Tradicional. As pessoas ficam surpreendidas ao perceberem a verdadeira tradição do fado, que inclui fazer-se poesia numa medida específica para ser cantada nos standards do fado», afirma em declarações ao Diário do Minho.

Este responsável salienta que se nota que os participantes consideram gratificante verem os seus poemas cantados pelos artistas profissionais do Ideal Clube de Fado e aplaudidos pelo público.

Na sua perspetiva, é enriquecedor «do ponto de vista do desenvolvimento pessoal e local» o envolvimento das pessoas no objeto artístico. «Os concertos são feitos em co-autoria entre as pessoas que participaram nas oficinas de escrita de poesia e os músicos», diz.

Este responsável assegura que a parte técnica da escrita é explicada aos participantes, sendo-lhes pedida «plasticidade» e «flexibilidade» para se adaptarem à estrutura dos poemas para Fado Tradicional, sendo este um conjunto de composições musicais que têm título para a música, mas não têm letra.

Questionado sobre a atividade do Ideal Clube de Fado, Ricardo Pons explica que o seu objetivo é «promover concertos exclusivamente dedicados ao Fado Tradicional, uma vez que a maior parte dos espetáculos é uma mistura de vários tipos de música, como Amália Rodrigues dizia que fazia nos seus concertos, com marchas, folclore, fado canção e Fado Tradicional».

«Reparámos que o Fado Tradicional, apesar de ser o preferido da maior parte dos músicos e fadistas, era aquele que menos se tocava nos concertos, por razões turístico-culturais», declara.

Tendo em conta esta realidade, em 2019 surgiu «um projeto diferente», que dá as pessoas a possibilidade de ouvirem «fado no seu estado mais puro» em concertos diários, na Rua da Galeria de Paris, no Porto.

As inscrições na oficina de escrita de poesia para Fado Tradicional podem ser feitas em https://bit.ly/3lRkMDC

 

«É fabuloso fazer fado em tempo real»

A fadista Carla Cortez considera que «é fabuloso fazer fado em tempo real» como acontece nas oficinas de escrita de poesia para Fado Tradicional.

«É fabuloso estarmos a ver uma história pela primeira vez e sermos a primeira pessoa a atribuir-lhe as cores, os detalhes, e a passá-la das palavras às emoções», afirma do Diário do Minho.

Fazendo um balanço positivo desta iniciativa, que gostaria de repetir se houver oportunidade, destaca a qualidade de alguns dos poemas produzidos nas oficinas, que vão ser integrados no repertório do grupo.

Pelas sessões passaram pessoas habituadas a escrever, algumas com edições de autor publicadas, mas também quem estivesse a fazer a primeira incursão nesta área. Independentemente da experiência de escrita dos participantes, Carla Cortez valoriza «as ricas experiências de vida, os retalhos colocados em verso e até a coragem para, através da escrita, enfrentarem acontecimentos do passado». «O fado é essa experiência humana, essa troca de sentires e saberes», enfatiza.

Em seu entender, pela mobilização que gerou, esta experiência mostra que «há esperança em mantermos o património cultural riquíssimo que é o fado».

 

Autores veem as suas criações ganhar vida interpretadas por fadistas profissionais

Apaixonadas pela escrita, Catarina Oliveira e Filipa Nascimento aceitaram o desafio de partir à descoberta da escrita de poesia para Fado Tradicional, numa oficina dinamizada em Braga pelo Ideal Clube de Fado, no âmbito do Encontro Luso-Galaico.

Após uma sessão online, em que houve uma contextualização sobre o Fado Tradicional e as caraterísticas da poesia para este estilo musical, Catarina Oliveira escreveu um poema que levou para a oficina, que decorreu no passado sábado, no Edifício do Castelo. Depois de analisado, o poema ganhou vida na voz da fadista Carla Cortez.

Catarina Oliveira diz que escrever poesia é uma das suas grandes paixões, mas nunca tinha escrito poemas com a estrutura exigida pelo Fado Tradicional.

«Nunca tinha tido a experiência de poder ouvir um dos meus poemas em música. É excecional», afirma, revelando uma «gratidão enorme» por esta oportunidade.

Por seu turno, Filipa Nascimento refere que esta foi uma oportunidade para aliar a paixão pelo fado à escrita, que faz parte da sua vida profissional, embora não na área da poesia.

«Achei um desafio interessante poder aprender mais sobre a escrita para Fado Tradicional», afirma.

 

Sons do Noroeste para ouvir a 29 de agosto

O Altice Forum Braga recebe, a 29 de agosto, a partir das 18h00, o festival Sons do Noroeste.

O espetáculo começa com a apresentação do trabalho produzido pelos Coros do Minho em colaboração com o Projeto Cardo de novos arranjos para músicas do cancioneiro tradicional galaico-português. O Coro Académico da Universidade do Minho é um dos participantes.

Segue-se a atuação da cantora galega Uxía.

Posteriormente, a partir das 21h00, o Ideal Clube de Fado interpreta as letras criadas nas oficinas de poesia para Fado Tradicional, seguindo-se o trio galego Fransy, Davide e Cibrán.

A fechar, atua Camané.

Entretanto, no âmbito do Encontro Luso-Galaico vai realizar-se o concerto “Trobadores & Soldadeiras” no próximo domingo, dia 15 de agosto, pelas 21h00, na Praça da República, em Monção.

Neste espetáculo, o Grupo Coral Santo António apresenta músicas do seu repertório e “O Pai do Ladrão”, com arranjo de Tiago Candal, enquanto o Ideal Clube de Fado sobe ao palco com as fadistas Carla Cortez e Fernanda Moreira acompanhadas por Ricardo Pons (viola), Marco Quaresma (guitarra portuguesa) e Sérgio Marques (viola baixo).

O Encontro Luso-Galaico é promovido pela Fundação Consuelo Vieira da Costa, Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, Câmara Municipal de Braga e Associação para o Museu dos Transportes e Comunicações. O projeto é co-financiado pelo Norte2020, Portugal 2020 e União Europeia através do fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER). Pode ler mais sobre o Encontro Luso-Galaico aqui.

 




Outras Reportagens


Scroll Up