Espaço do Diário do Minho

Como conter a (galopante) desumanização da humanidade?

14 Set 2021
João António Pinheiro Teixeira

Volvidas duas décadas sobre o 11 de Setembro, parece que o mundo ainda não conseguiu «parar» para reflectir: sobre o que aconteceu nesse dia e sobre o que se desencadeou a partir desse dia.

Aliás, dá a impressão de que a nossa acção não passa de agitação. E – como sucede com toda a agitação segundo D. António Ferreira Gomes – trata-se de uma «agitação paralisante», geminada com uma «paralisação agitante».

Sentimo-nos brutalmente inseguros a 11 de Setembro de 2001. Mas estaremos mais seguros com as reacções ao 11 de Setembro de 2001?

Foram-nos subtraídos alguns direitos em nome da segurança. Salta, porém, à vista que continuamos a perder direitos sem ganhar mais segurança.

O 11 de Setembro como que inaugurou a era do terror em grande escala, de proveniência incerta e de irrupção súbita.

Mas a resposta não amorteceu a violência e até exponenciou o número das suas vítimas.

O «magnicídio» de há vinte anos como que alongou os atalhos para um «humanicídio» sem tréguas.

Dir-se-ia que o problema continua a «problematizar» e a solução não logra «solucionar»

Será que fazemos justiça às vítimas do 11 de Setembro com as vítimas do que se seguiu ao 11 de Setembro?

É que, nos dois casos, é inocente a quase totalidade das vidas eliminadas.

Os campos estão cada vez mais afastados. O diálogo praticamente não existe ou, quando existe, não é minimamente consequente.

Como é possível celebrar acordos que, repetidamente, não se cumprem?

Acresce que, hoje em dia, nenhuma situação é local sem que se torne também global.

Por muito longínquo que pareça o epicentro de um problema, os seus «estilhaços» podem «explodir» em qualquer território, inclusive à nossa beira.

Nas trevas em que o mundo aparenta ter mergulhado, as fracturas distanciam-nos perigosamente.

A mais aflitiva é que opõe a palavra ao pensamento. Tantas são as negociações que visam a instauração da paz. E tão gritantes são as violações que «defenestram» a paz, avolumando as guerras e os conflitos.

Enfim, a desumanização não dá sinais de abrandar. Pelo contrário, há (preocupantes) indicadores de que está a recrudescer de modo galopante.

Na «era do vazio», os extremos tendem a colidir de forma descontrolada. À falta de ideias – e de ideais –, nada mais sobrará para lá da desorientação e da crueldade?

Temos de resgatar – urgentemente – o «princípio da empatia» (tão agudamente escrutinado por Edith Stein), para nos colocarmos «no lugar» do outro e não abarrotados de aversão «contra» os outros.

Só quando a nossa prioridade for a felicidade dos outros (e não a hedonista obsessão de ser feliz à custa dos outros) é que o mundo estancará a «hemorragia» de desumanidade que a ameaça gangrenar!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 21 Set 2021

Ainda intimidados pela COVID-19, mal prestamos atenção a uma outra pandemia que vai alastrando pelo mundo e devastando (igualmente) muitas vidas. Trata-se da «pandemia do ódio», que parece não dar tréguas com os seus desmedidos tentáculos: insinuações, difamação, calúnias, mentiras, invejas, traições. Não poupando ninguém, esta «pandemia» consegue até o supremo topete de inocentar os […]

João António Pinheiro Teixeira - 7 Set 2021

1. Desengane-se quem pensa que o discurso eclesial é repetitivo e hermético ou que a linguagem teológica está condenada a ser monolítica e entediante. O vocabulário cristão é – além de fidedigno e organizado – imaginativo e mesmo inesperado. 2. As metáforas, as alegorias e as parábolas sempre estiveram presentes. Aliás, o próprio Jesus apresentava-Se […]

João António Pinheiro Teixeira - 31 Ago 2021

Ninguém devia ser tão humano como o homem. Só que a história tem documentado que, não raramente, ninguém consegue ser tão desumano como o mesmo homem. Assistimos inclusive – com «espamos» de angústia e «toneladas» de pesar – a contínuas «hemorragias» de desumanidade. Custa muito ao homem ser humano? Em relação aos outros animais, temos […]


Scroll Up