Espaço do Diário do Minho

Resvalando, resvalando, em direção ao abismo

24 Out 2021
Paulo Abreu

Inspiro-me hoje numa belíssima obra que me caiu nas mãos, da autoria de Grabriele Kuby, sob o título A Revolução Sexual. Destruição da liberdade em nome da liberdade (ed Principia, Cascais, 2019).

Eis os dados que fui colhendo.

Muitos não transmitem a vida que receberam. O direito à vida está cada vez mais ameaçado, quer se trate de começos, ou de finais. A degeneração moral ocorre a um ritmo avassalador. O homem e a mulher estão subjugados a um cilindro ideológico, que os aplana, destrói, mistura, metamorfoseia, adultera. Quem hoje se decida pela defesa da heterossexualidade está candidato a pária social.

Que grande derrocada por aí se adivinha.

Para aqui vamos sendo empurrados por muitas forças, ideologias e organizações.

Recuamos até Nietzsche e ouvimo-lo dizer que só uma raça superior neopagã nos pode livrar de um cristianismo que apadrinha uma «moral de escravos» para os fracos.

Veio depois Margaret Sanger a defender o aniquilamento das pessoas erradas mediante a contraceção, a esterilização, o aborto; os criminosos devem ser esterilizados, os débeis mentais proibidos de deixarem descendência; só as pessoas desejáveis devem ter direito à vida.

Marx propugnou a destruição da família.

Alexandra Kollontai lutou pela legalização do divórcio e do aborto, fundou casas comunais (tudo ao molho…) e promoveu o amor livre, para libertar a mulher da opção entre o casamento e a prostituição; ufanava-se vendo o fogo dos lares a apagar-se.

Wilhelm Reich bateu-se pela eliminação de qualquer repressão sexual, cada um a procurar a autossatisfação; todos os flagelos desapareceriam se as pessoas vivessem os seus impulsos sexuais sem qualquer limitação.

Seguiu-se Magnus Hirschfeld, a favor da legitimação da heterossexualidade, ainda que, ambiguamente, defendesse a heterossexualidade como «deformidade congénita», «anomalia» e «perversão».

E a procissão haveria de continuar com Sigmund Freud e C. G. Jung, a pedirem respeito pelo subconsciente, este a valer mais que a religião, a moralidade ou a autoridade parental.

Com Edward Bernays, surgiu o pedido de uma manipulação dos hábitos organizados e das opiniões das massas, a fim de se subverterem as normas instaladas.

Apareceu depois Alfred Kinser, o grande patrono da anarquia sexual; para ele, famílias, mulheres, crianças são relíquias de uma moral hipócrita, a substituir pela absoluta tolerância; venham o divórcio, a legalização do aborto, as relações extraconjugais, a coabitação, a tolerância da fornicação, da sodomia, da homossexualidade, da prostituição…

Papel-chave, na mudança de paradigma, coube a John Money, defensor da ideologia de género (cada um escolhe o próprio género); a ele se deve a primeira clínica para operações de mudança de sexo (a Gender Identity Clinic).

Para Simone de Beauvoir, «uma pessoa não nasce mulher, torna-se mulher». E Simone não queria ser mulher, pois isso implicaria sujeitar-se à opressão dos homens. As mulheres devem negar a sua identidade feminina, para poderem gozar dos mesmos privilégios dos homens. Para Beauvoir, a gravidez é uma «mutilação», o feto um «parasita», nada mais que «um pedaço de carne».

As revoluções estudantis dos anos 60 da pretérita centúria tornaram famosa a «libertação sexual». Tudo sem normas, sem peias, sem amarras, sem valores «tradicionais».

Isso defende também Herbert Marcuse, no seu livro Eros and Civilization. Proposta dele: viver aqui e agora segundo o princípio do prazer; haja “via verde” para a satisfação desenfreada dos impulsos sexuais.

Esta «sexualidade liberta», desamarrada do matrimónio e até do tabu do incesto e da proibição da pedofilia era praticada em Berlim, na «Comuna I» e na «Comuna II», com aplausos da comunicação social. O sexo com qualquer pessoa – diante de crianças, com crianças e entre crianças – foi promovido «sem possessividade burguesa».

Neste caminho para a transformação total da sexualidade e da sociedade, merece referência a queda do Motion Picture Production Code (também conhecido como Código Hays) em Hollywood, e o fim da proibição da pornografia na Alemanha (em 1973). O sexo começou a fazer furor nos meios de comunicação social.

Até que chegamos aos tempos mais recentes, rios de dinheiro investidos – pelas Nações Unidas, pela União Europeia – na divulgação/imposição da ideologia do género e na desconstrução da sexualidade binária.

E agora convivemos com a sigla «LGBT»: lésbicas; gays; bissexuais; transexuais. Podemos ainda alargar a sigla para «LGTBI», a última letra significando «intersexualidade»; mas ainda podemos ser mais atuais e exaustivos, usando a sigla «LGBTQQIP2SAA+», que significa lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros, questionadores, queer, intersexuais, pansexuais, dois-espíritos, andróginos e assexuais; o sinal + engloba outras variantes possíveis.

Temos muito por onde escolher! Viva a confusão! Viva a fartura!

(Cont.)



Mais de Paulo Abreu

Paulo Abreu - 30 Out 2021

O ataque às fundações morais da Europa e a imposição da «igualdade de género», nas escolas e por todo o lado, já chegou a Portugal, através das aulas de Cidadania e Desenvolvimento. Apresentam-se, nessa «iluminada» disciplina, todos os tipos de comportamento sexual, parecendo apenas estranha a heterossexualidade. Não se trata somente de respeito para com […]

Paulo Abreu - 27 Out 2021

O processo de desconstrução da sexualidade binária, de derrube dos ordenamentos e conceitos tradicionais, de destruição da família, conta com muitos contributos. No nosso anterior artigo, sob este mesmo título, elencamos alguns. Mas a lista pode bem crescer. Assim, Judith Butler sustém que o sistema binário é uma prisão, uma limitação à liberdade. O seu […]

Paulo Abreu - 14 Abr 2020

Roupa simples, rosto lavado, ar sereno, olhar calmo e resignado, postura humilde, assim aparecia o miúdo para mais um dia de aulas. Como chegava atrasado, pagava por isso. Ia até ao pé do professor, invariavelmente junto do quadro (quem não se lembra das salas de aula antigas, nos tempos idos da então chamada Escola Primária), […]


Scroll Up