Fotografia: DR

Previsão de chuva forte coloca Braga e Viana do Castelo sob aviso amarelo

A situação meteorológica prevista deverá originar precipitação persistente na generalidade do território, e tem potencial para produzir chuvas persistentemente fortes.

Rita Cunha/Lusa
27 Out 2021

Catorze distritos do continente, entre eles os de Braga e Viana do Castelo, vão estar amanhã sob aviso amarelo devido à previsão de chuva por vezes forte, estendendo-se aos restantes quatro na sexta-feira, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Setúbal, Lisboa e Santarém vão estar sob aviso amarelo entre as 17:00 de quinta-feira e as 03:00 de sexta-feira.

Este aviso amarelo estende-se aos distritos de Portalegre, Évora, Beja e Faro a partir das 00:00 de sexta-feira e as 06:00 de sábado.

O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

O IPMA prevê a partir de quinta-feira e pelo menos até domingo períodos de chuva, que pode ser por vezes forte, descida da temperatura máxima e vento moderado a forte nas terras altas.

Devido a esta previsão, com especial relevância entre os dias 28 e 31 de outubro, a Proteção Civil de Braga emitiu um alerta para precipitação muito elevada para os próximos dias e intensificação do vento que poderá atingir os 30-40 km/h.

A situação meteorológica prevista deverá originar precipitação persistente na generalidade do território, e tem potencial para produzir chuvas persistentemente fortes, podendo provocar impactos significativos. É, por isso, expectável:

👉 Piso rodoviário escorregadio por eventual formação de lençóis de água;

👉 Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos
sistemas de drenagem;

👉 Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;

👉 Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;

👉 Danos em estruturas montadas ou suspensas;

👉 Possibilidade de queda de ramos ou árvores, bem como de afetação de infraestruturas associadas às redes
de comunicações e energia;

👉 Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos,
pela perda da sua consistência.

Como 𝐌𝐄𝐃𝐈𝐃𝐀𝐒 𝐏𝐑𝐄𝐕𝐄𝐍𝐓𝐈𝐕𝐀𝐒, a Divisão Municipal de Proteção Civil recomenda à população que tome as necessárias medidas de prevenção e adeque os seus comportamentos:

👉 Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;

👉 Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de gelo nas vias rodoviárias;

👉 Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;

👉 Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água nas vias rodoviárias;

👉 Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;

👉 Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos ou árvores, em locais de vento mais forte;

👉 Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a estes fenómenos;

👉 Prestar atenção aos grupos mais vulneráveis (crianças nos primeiros anos de vida, doentes crónicos, pessoas idosas ou em condição de maior isolamento, trabalhadores que exerçam atividade no exterior e pessoas sem abrigo);

👉 Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.





Notícias relacionadas


Scroll Up