Espaço do Diário do Minho

O associativismo desportivo

26 Nov 2021
Luís Covas

Na atualidade o desporto é um direito de todo o cidadão, visto que são conhecidos e reconhecidos os benefícios da prática desportiva no bem estar do ser humano. Estes benefícios e os direitos à prática desportiva estão consignados na Carta Europeia do Desporto, na Constituição da República Portuguesa e na Lei de Bases do Sistema Desportivo.

No entanto, a realidade desportiva tal como a conhecemos, na sua essência foi fruto de várias modificações e de profundas transformações ao longo dos tempos, que aliada um conjunto de constrangimentos, quase a asfixiavam.

Se efetuarmos um estudo do percurso evolutivo do associativismo desportivo deveríamos recuar a meados do século XIX e encontraríamos o livre associativismo “colado” a questões de carácter humanitário.

Só passados quase cem anos (década de 30 e 40 do século XX) encontramos o Estado a iniciar uma intervenção no desporto e a fazê-lo de uma forma a controlar este movimento.

No entanto a partir de Abril de 1974 onde as profundas mudanças políticas no país levaram a que o desporto se assumisse, também, num clima de liberdade e encontrasse formas organizativas diversas.

A Constituição da República Portuguesa incumbe o Estado de regulamentar e promover o livre acesso de todos os cidadãos à prática desportiva, além de o responsabilizar por assegurar os meios essenciais à sua formação desportiva.

Numa análise mais ou menos cuidada do papel interventor e regulador do Estado pode-se concluir que tem existido algumas carências nessas responsabilidades sendo a maior parte das vezes os clubes e o movimento associativo a substituir o Estado nessas tarefas colmatando dessa forma estas lacunas.

Sendo o desporto uma questão de Estado e desempenhando os clubes um papel que o substitui deveriam ser credores de um apoio efetivo, o que não tem acontecido. Os subsídios atribuídos ou outras formas de apoio, por modestos que eles sejam, não tem tido a regularidade desejada o que tem levado à existência de um associativismo muitas vezes efémero e com modelos organizativos deficitários.

No entanto, o próprio movimento associativo também tem culpas na crise que se atravessa, pois ele próprio não se tem reinventado face às exigências da sociedade atual. Ainda não conseguiu encontrar modelos de ajustamento aos tempos atuais, não se tem renovado e não tem prosperado vivendo-se, hoje, na maioria das coletividades com objetivos e modelos de gestão totalmente ultrapassados. É caso para se prever que os clubes tradicionais poderão vir a ter problemas num prazo relativamente curto e que possam sobreviver com os seus próprios meios.

Outro dos problemas que se colocam às coletividades desportivas relaciona-se com a sua vocação e com a comunidade que servem, ou deveriam servir, sendo que o desporto é um fator de integração, podendo dar resposta às necessidades das populações.

A sociedade que hoje está a desenhar-se é portadora de novas necessidades e exigências e os clubes têm vindo a perder capacidade de intervenção como instituições socioculturais e desportivas, uma vez que se dedicam, quase em exclusivo, à prática de modalidades desportivas tradicionais, sendo por isso imperioso uma nova face para o associativismo desportivo.



Mais de Luís Covas

Luís Covas - 12 Nov 2021

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o racismo no desporto. Os meios de comunicação social noticiam frequentemente a ocorrência de incidentes racistas entre espectadores nos eventos desportivos. No futebol masculino, por exemplo, os adeptos são os principais causadores desse tipo de incidentes. No entanto, também se verificam incidentes racistas entre jogadores, em especial […]

Luís Covas - 29 Out 2021

Há vários anos que nos interrogamos porque é que não há mais mulheres no desporto, quer sejam praticantes ou simplesmente espectadoras? A essa pergunta não será fácil de responder visto que para além de questões de cariz cultural a vida familiar (mãe/esposas) tem um peso significativo na contabilização percentual em ser inferior ao masculino. O […]

Luís Covas - 15 Out 2021

Cristiano Ronaldo escreveu, na passada terça-feira, mais uma página de ouro na sua longa e demolidora carreira de futebolista ao conseguir mais 3 golos e atingir a marca de oitocentos e um golos como futebolista de eleição. Já não existem adjetivos para o classificar, pois atleta notável, magnifico ou estratosférico são utilizados com elevada frequência […]


Scroll Up