Fotografia: Direcção-Geral de Saúde

Vizela e Cabeceiras de Basto com mais de 6.000 casos por 100 mil habitantes a 14 dias

No distrito de Viana do Castelo, Paredes de Coura (4.710), Valença (4.480) e Arcos de Valdevez (4.195) também registam números elevados.

Pedro Vieira da Silva
14 Jan 2022

Apenas oito dos 308 concelhos de Portugal estão abaixo do nível máximo da incidência de infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2, avança o boletim de hoje da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a situação da pandemia.

Todos os restantes estão no nível máximo – acima dos 960 casos por 100 mil habitantes -, destacando-se os concelhos da região autónoma da Madeira de Câmara de Lobos (8.520), Funchal (7.758) e Porto Moniz (6.445).

No Minho, Vizela (6.557), Cabeceiras de Basto (6.196), Póvoa de Lanhoso (5.675) – distrito de Braga – e Paredes de Coura (4.710), Valença (4.480), Arcos de Valdevez (4.195) – distrito de Viana do Castelo – estão no top-3 dos respetivos distritos.

 

 

Em relação à última sexta-feira, o número de concelhos que passou para o patamar mais elevado de incidência subiu dos 282 para os atuais 300.

A covid-19 provocou 5.519.380 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.237 pessoas e foram contabilizados 1.814.567 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.





Notícias relacionadas


Scroll Up